24 de junho de 2009

Sábado ou Domingo?

Marcio, boa noite!

Primeiramente quero lhe agradecer pelo envio de tão belas mensagens de avivamento e crescimento espiritual. Em segundo lugar, gostaria de receber um estudo bíblico sobre a guarda do sábado, pois, lendo a bíblia de Gênesis a Apocalipse , ainda não encontrei nenhum texto que autorize a guarda do domingo, pelo contrário, a Biblia é muito clara quanto a esse assunto, porém como as igrejas evangélicas em sua maioria guardam o primeiro dia da semana, gostaria de saber em que se baseiam . Vale lembrar que o sábado foi instituído no Éden e nada tem haver com a lei de Moisés, apenas foi repassado pelo próprio Deus para as tábuas da lei, no sentido de fazer  o povo “lembrar”, já que eles se  encontravam cativos no Egito há anos e  nada sabiam sobre Deus . Fiz essa observação acima  porque todas as vezes que toco nesse assunto com alguns evangélicos, eles levam sempre para o lado da lei, esquecendo que “não matarás” também é da lei e que nem por isso estamos livres para matar. Meu questionamento nada tem haver com discussão , mas , primeiro porque preciso me posicionar em relação a uma igreja e em segundo lugar, porque creio num Deus que não muda, creio num Deus cuja palavra não volta atrás... poderia esse Deus escrever um decálogo e depois excluir um ítem desse mesmo decálogo? Se Ele escreveu com Suas próprias mãos e em seguida “apagou”, acredito que não vale à pena confiar nesse Deus.
Preciso de uma explicação e desde já te agradeço muito
Um abraço

Euna Rivas

Euna, Paz e Graça,

Sua pergunta sobre a questão do sábado é muito interessante e provavelmente será esclarecida com as informações que pesquisei.
Estarei ainda esta noite postando alguns textos sobre o sábado para esclarecimento de todos os que recebem os Textos Reformados Selecionados.
Mas, como você fez a pergunta diretamente responderei também pessoalmente o que tenho pesquisado:
O que mais faz distinção entre o povo de Israel (os judeus) das nações é a observação do Sábado.
Então vamos considerar alguns fatos que precisam ficar claros para nós:

A primeira menção ao Sábado ou o sétimo dia que encontramos na Palavra de Deus é Gênesis 2.2 ,3. A Bíblia nos ensina que Deus santificou o sétimo dia e descansou de toda a sua obra com Criador nesse dia.Então, é bem claro que Deus santificou o sétimo dia para comemorar sua obra de criação. Êxodo 20.11.
Mesmo assim, historicamente podemos observar que o povos antigos tinham o costume de observar os sábados, especialmente na Babilônia. Eles observaram os dias 7, 14, 19, 21, 28 de cada mês. Até o rei não podia fazer certas coisas no dia que eles chamaram sabatu. Mas na Babilônia isto era ligado à astrologia, muito mais do que qualquer idéia de agradar Deus. O Dia 19 também era observado porque 19 adicionado com os 30 dias do mês anterior somam 49 ou 7 x 7, um número cabalisticamente sagrado.
Com referência à nação de Israel, conforme o ensino em Êxodo 16.23-29, o Sábado já era uma instituição, pelo que, quando os dez mandamentos forma transmitidos, o Sábado não foi proposto como se fosse uma nova Lei.
Embora que a idéia de observar os Sábados tivesse sido comum antes da Lei, observamos que os seu detalhes específicos foram estabelecidos pela primeira vez no conteúdo da Lei que foi entregue no Sinai para Israel. É importante notar que a Lei, inclusive o Sábado, foi dado somente para a observância de Israel. Êxodo 20.8-11.
Em hebraico a palavra Sábado é shabbat: e significa: Cessar ou Descansar.
Era para ser principalmente um dia de descanso de todo o trabalho e de todo um dia dedicado a renovação espiritual e adoração a Deus. Este era o propósito do Sábado.
A próxima menção do Sábado encontramos em Êxodo. 31:12-18. Aqui, vemos a importância do Sábado sob o ponto de vista de Deus. Deus obrigou Israel a guardar os seus sábados como uma obrigação sob a condição de pena da morte aos que a profanassem. Era para ser um sinal entre Deus e Israel e estabelecido como uma aliança perpétua para todas as suas gerações.
A ordem para guardar os sábados repete-se muitas vezes no Antigo Testamento.
Levítico 16.31; 19.3 e 30; 23. 3, 11, 15-16 , 32, 38; 24.8; 25.2, 4, 8; 26.2, 34-35, 43; etc.
Poderíamos questionar se Deus mataria alguém só por trabalhar um pouco no dia de Sábado? Vejamos o que aconteceu com um homem que violou o Sábado. Números 15.32-36.
Israel nem sempre guardou o Sábado. De fato, um sábio rabino Achad Haam, disse: "O SÁBADO GUARDOU ISRAEL MAIS DO QUE ISRAEL GUARDOU O SÁBADO".
Os judeus observavam o Sábado de um modo geral. Não trabalhavam e dedicavam o seu dia para adoração do Senhor. Mas o descanso não era estritamente ou rigidamente observado. O povo viajava percorrendo a terra. De fato a observação do Sábado degenerou tanto que foi um das maiores razões porque Deus permitiu que Nabucodonozor atacasse e vencesse Israel. (Jeremias 17.19-27).
Na Babilônia, os judeus começavam a dar mais ênfase ao Sábado do que nunca. Na Babilônia, os judeus foram despojados de seu templo, dos sacrifícios e da sua adoração cerimonial.
Surgiram homens como Esdras e Neemias que quiseram restabelecer a obediência aos preceitos de Deus. Os preceitos como a circuncisão e o Sábado deveriam ser observados. Sendo a circuncisão um dos primeiro símbolos do judaísmo.
Podemos ver um grande contraste entre os que foram levados em cativeiro com os que foram na terra em relação ao Sábado. Vejamos o que Neemias encontrou quando voltou a Jerusalém. (Neemias 13.15-22).
Nos tempos de Jesus um sacerdote ficava em uma torre no templo tocando uma trombeta como o sinal de cessar o trabalho e começar o Sábado descanso. Em outras cidades, um judeu no teto da sinagoga tocava a sua trombeta seis vezes!
A Primeira vez: para os trabalhadores nos campos ao redor cessarem os trabalhos.
A Segunda vez: as lojas na cidade deveriam fechar.
A Terceira vez: avisando as senhoras donas de casa para tirar as panelas dos fogões e guardá-las para preservar a comida quente, e para acender as velas do Sábado.
Depois vinha um intervalo e a trombeta era tocada mais três vezes sucessiva e rapidamente significando de fato o começo do Sábado. Não era lícito para o trombeteiro levar a sua trombeta para baixo. Ele teria de deixá-la no teto até que o sábado terminasse.
Na Idade Média o Sábado foi uma ilha de descanso em um mar de perseguições. Os judeus só tinham repouso e descanso no Sábado com sua família. Na sexta-feira logo cedo faziam um ritual de limpeza para preparar para o Sábado. Usavam a mais bonita toalha sobre a mesa, e tudo o que era de melhor era usado naquela noite. Depois de jantar a família cantava algumas canções honrando o Sábado, geralmente um dos Salmos. Era costume convidar alguma pessoa para jantar, especialmente um rabino que poderia dar uma interpretação sobre algum estudo da Torah. A comida que mais ocorria era peixe ou ganso, bem temperado. Um tipo de pão especial era feito para o Sábado, chamava-se challoth (challos), o pão do Sábado.
Nos tempos modernos foi introduzido o costume de Kabbolas Shabbot ou Saudação a Rainha que era o Sábado. Alguns judeus piedosos se vestiam com a roupa mais fina que tinham e faziam uma procissão fora da cidade para saudar o Sábado, cantando salmos e terminando com "venha a noiva, venha a noiva!". Uma dos mais famosas canções que ainda hoje o D'choch Dodi que significa: "venha amigo, encontrar a noiva". (Foram os Kabbalistas que introduziram estes costumes). A dona da casa faz a cerimônia de acender as velas, cobrindo os seus olhos com as mãos e recitando uma bendição ou benção. O pai e os filhos cantam "Shalon Alechem" como saudação aos 2 anjos que acompanham cada judeu da sinagoga até em casa. O pai recita ultimo capítulo de Provérbios honrando as esposas. O pai lê também o Torah, sendo 2 vezes em hebraico e 1 vez aramaico.
A maioria dos judeus pensa que o descanso do Sábado rigidamente observado por Esdras e Neemias e outros foi preservado somente porque a circunstâncias eram favoráveis. Mas desde as modificações do século 19 foi impossível observá-lo rigidamente.
Um judeu, Sr. Hayyim Shaues, autor do livro "Jewish Festival" disse: “as invenções revolucionaram o comércio e a indústria de tal maneira que transformaram a vida econômica e religiosa. Também a influência dos cristãos observando o domingo deixou com que os judeus não pudessem continuar observando o Sábado como antigamente.” Somente os ultraortodoxos continuam tentando observar o Sábado rigidamente. Hoje em dia, a maioria dos judeus não o observam com o mesmo rigor.
Sr. Hayyim acredita que os judeus devem modificar as restrições, mais que ainda continuem a observar o Sábado. Ele empregou a expressão, "precisamos por o novo vinho em garrafas velhas."
Conforme o ensino de Números 28.9-10 é impossível até para os ortodoxos observarem o Sábado segundo a Lei. Não existe mais o templo, nem o sacerdócio e muito menos a total obediência à lei.
Eles estão tentando observar o sábado como Talmud exige e não como a Torah. E a maioria dos judeus não conhecem nada do Talmud. O Talmud mostra 1.521 regras sobre o Sábado.
O ano do jubileu teve início ao completarem 7 anos sabáticos. (49 anos) - Levítico 25.
O número de 7 é sagrado e os rabinos falam em 7 milênios divididos assim:
1. 2.000 de Adão à Abraão.
2. 2.000 de Abraão a destruição do templo em 70.
3. 2.000 da destruição do templo até a vinda do Messias.
4. 1.000 - o milênio sabático sob o reino do Messias.

Até aqui observamos o Sábado sob a ótica de Israel. Mas o sábado tem alguma aplicação para nós? Domingo foi uma invenção de algum papa como alguns dizem?
Primeiro é necessário que lembremos que a acusação dos fariseus contra o Senhor Jesus e os seus discípulos. (Mateus 12.1- 8).
A questão de sábado, da circuncisão e da lei é resolvida para o cristão pelo ensinamento do paulino do Novo Testamento (Colossenses 2.11; 16-17; Gálatas; e Romanos).
1) O sétimo dia comemora a obra de criação. (Gênesis 2.1-3); enquanto o domingo (o primeiro dia) comemora a obra da redenção. (Mateus 28.1-6).
2) O sábado era o sinal da aliança de Deus como o seu povo, Israel (Êxodo 31.13); enquanto o domingo significa a comunhão entre a Igreja e o seu Senhor ressurreto. (Atos 20.7).
3) A observação do Sábado foi obrigatória sob a pena de morte. (Êxodo 31:14); a observação do Domingo não é obrigatória, é voluntária.
4. O sábado era a parte essencial da época da lei mosaica e o domingo e representativo da época da graça.
É verdade que o rei Constantino instituiu a lei do domingo em 321, mas isto não muda o fato que os crentes desde os dias dos apóstolos já vinham observado o Domingo.
Já pensou no problema dos hebreus cristãos em Israel? Sábado é o dia legal para descansar e adorar. Domingo é um de trabalho como qualquer outro. Vai condenar os hebreus cristãos por trabalhar Domingo e adorar no Sábado?
Qual deve ser nossa posição? Romanos 14.1-12 (principalmente os versículos 5,6).

Márcio Melânia

1 comentários: on "Sábado ou Domingo?"

Jhony Ferreira disse...

Concerteza , isto é uma questão de entendimento e fé, eu guardo o sábado por que na minha opinião, está claramente isso na bíblia, mas não condeno quem não guarda!