5 de junho de 2009

Historicismo e religiosidade

Oi Márcio,

Aqui quem fala é um simples católico que confia em sua igreja e também lê a Bíblia.
Nem vou tocar em assunto de placa de igreja, pois você bem sabe que não e a minha e nem a sua que vai te salvar.
Mas quem é você para julgar 2000 anos de historia. É isso mesmo a minha igreja existe a quase 2000 anos.
E a sua quantos anos faz? Você sabe me responder?
Não obrigado eu não quero saber e não me interessa porque da sua vida é você quem cuida. Então, por favor, deixe-nos vivermos a nossa fé.
Peço desculpas se te ofendi.

Paulo Salvego



Querido irmão em Cristo, Paulo,

Que Deus o abençõe e sobre você seja derramada a Graça exclusiva que só Jesus Cristo pode dar.
Não estou julgando e nem julgarei nenhum católico, longe de mim. Não estamos aqui para isso. Pois quem exercerá este julgamento, será Nosso Deus.
APOCALIPSE 2.4
"Então vi uns tronos; e aos que se assentaram sobre eles foi dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados por causa do testemunho de Jesus e da palavra de Deus, e que não adoraram a besta nem a sua imagem, e não receberam o sinal na fronte nem nas mãos; e reviveram, e reinaram com Cristo durante mil anos"
Agora o julgamento da história este eu faço sim, inclusive também dentre da igreja em que eu congrego que completará 150 anos de ação no Brasil (Social, Educacional e Religiosa). Eu sou Presbiteriano.
Mas o julgamento que faço é das ações das pessoas e não das ações realizadas por Deus. É preciso distinguir muito bem.
Hebreus 9.27
"E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o Juízo."
Nossos corações sofrem ao pensarmos que alguém ouvirá Jesus dizendo as seguintes palavras, naquele dia:
Mateus 7.23
"Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade."
Mesmo porque a Bíblia revela que o Senhor vai dizer estas palavras a muitas pessoas religiosas.
Jesus deixou nas páginas da Bíblia um PLANO DE SALVAÇÃO que não vem de religiões ou Igrejas. E esse plano divino pede-nos duas coisas:
1º - ARREPENDIMENTO
Arrependimento não é penitência, nem praticar ritos, mas sim mudança de atitude, evitando o que Deus desaprova.Esse desejo de nova Vida o unirá a Cristãos sinceros que o orientarão.
2º - FÉ
A Fé para a Salvação é confiar em Cristo como único e suficiente Salvador.Essa confiança o livrará das preocupações com respeito à eternidade!
Só Cristo salva!

A Igreja foi instituída para evangelizar, orientar e manter o povo de Deus unido, mas não para salvar! A Salvação vem de Deus e não desta ou daquela Igreja ou religião.
Este PLANO DE ARRENPEDIMENTO E FÉ é bíblico, não pode ser alterado nem receber agregados. Isto foi o que aconteceu, mas foi o que aconteceu em sucessivos Concílios Papais a partir do século IV. – A Igreja tem sido manipulada, a Bíblia continua divina; devemos, portanto, aferir o Catolicismo e qualquer outra religião/igreja, com as Escrituras Sagradas.

Márcio Melânia

0 comentários: on "Historicismo e religiosidade"